MIFID II para Entidades Não-Europeias

MIFID II NO BRASIL

MIFID II para Entidades Não-Europeias

A iminente MIFID II está sendo apresentada como a reviravolta mais extensiva para serviços financeiros dessa geração. É uma regulamentação europeia, mas todas as empresas do mundo deveriam se preocupar com ela.

WEBINAR - 09 de Novembro às 15h

Participe deste Webinar onde os especialistas da Thomson Reuters abordarão as mudanças que a MiFID II trará para os profissionais brasileiros. O evento é do interesse de profissionais responsáveis por Trade Compliance, Conformidade de ferramentas de trading e Risco Operacional/Regulatório. Empresas que negociam ativos europeus (Ações, Futuros, Renda-Fixa Pública e Privada e câmbio pronto e NDFs) com contrapartes localizadas na europa também deverão se preparar para esta nova regulação.

MiFID II Blog

As novas regulamentações exigem que as instituições financeiras acessem dados de mercado de alta qualidade, tanto em tempo real quanto históricos. Como as empresas podem obter as informações que necessitam?

A MiFID II causará um terremoto financeiro em 3 de janeiro de 2018? As ondas de choque nos mercados serão mais graves se as empresas tratarem o cumprimento como um exercício de preenchimento de formulários em vez de um imperativo comercial.

A Diretiva de Mercados de Instrumentos Financeiros (MiFID) deve trazer mudanças regulatórias substanciais nos mercados financeiros da União Europeia (UE). Embora este regime regulatório complexo afete diretamente as empresas de investimento da UE, ele terá um efeito cascata que pode deixar muitas empresas fora da UE lutando para cumprir seus requisitos.

Impacto da Diretriz dos Mercados de Instrumentos Financeiros (MiFID II) para empresas não europeias

Devido à natureza transfronteiriça do ambiente de investimentos atual, a implementação da MiFID II afetará empresas de todo o mundo que negociam direta ou indiretamente com a Europa em diferentes níveis.

 

Veja em quais casos as empresas não europeias são afetadas pela regulamentação:

  • Elas são também proprietárias beneficiárias (finais) de empresas baseadas na Europa, ou beneficiários de fundos ou carteiras de investimentos europeus; ou
  • Elas têm “exposições” por ter, investir e negociar ativos europeus regidos pela MiFID II que são mantidos, comprados ou vendidos nas bolsas e plataformas regulamentadas europeias.

 

Para saber mais sobre como sua empresa pode ser afetada pela MiFID II, baixe o nosso artigo ao lado. 

Lista de verificação da MiFID II

6 principais casos de uso de negócios

Caso de Uso  Sumário  Impacto
Risco de Mercado e Descoberta de Preços Grande volume de dados gerados como resultado da MiFID – apoiando a Gestão de Riscos e Descoberta de Preços. Algum impacto direto, mas também impacto indireto em clientes asiáticos Oportunidade para vender novos dados/conteúdo.
Best Execution na Lista de Verificação da MIFID II: TCA, Quant A Best Ex impulsiona a transparência na execução e no serviço do cliente A Best Ex impulsiona a transparência na execução e no serviço do cliente

 

Relatórios de transações

A MiFID II exige que as empresas reportem Trades e Transações

Requisito direto para as empresas sediadas na UE e empresas que devem preparar relatórios de trades

Os dados podem melhorar a descoberta de preços e a gestão de riscos

Desmembramento do buy-side e análises As empresas de buy-side precisam mostrar transparência sobre o custo da análise Impacto direto em todas as empresas de buy-side da UE e fundos domiciliados na UE (por exemplo, cumprimento da UCITS)

 

Não MTF

As empresas asiáticas que negociam em locais da UE terão seus trades reportados. Podemos configurar as “não-MTF” para não reportar

Direto – Os clientes asiáticos podem optar por negociar com não-MTFs

Decisão da Thomson Reuters sobre estabelecer uma não-MTF ainda está pendente

Serviços do Internalizador Sistemático Empresas que fornecem liquidez e market makers classificados como internalizadores sistemáticos Impacto direto nos price makers. Provável afetará um pequeno grupo de clientes asiáticos

Próximos eventos globais

Notícias sobre a MiFID

A European Securities and Markets Authority (ESMA) publicou hoje o Relatório Final sobre as diretrizes de governança de produtos com base na MiFID II relacionadas à avaliação do mercado-alvo por fabricantes e distribuidores de produtos financeiros.

Alguns bancos de investimento globais correm o risco de perder até US$ 240 milhões em negócios até 2020 como uma revisão regulatória, o que mudará a maneira na qual as análises de valores mobiliários são precificadas e utilizadas, tornando as empresas independentes mais atraentes para os clientes, afirmou uma consultoria financeira.

Os gestores de ativos europeus poderão reduzir seus orçamentos de análises em mais de 100 milhões de euros por ano após uma grande reforma regulatória do setor de negociação de valores mobiliários entrar em vigor em janeiro, constatou uma pesquisa da Greenwich Associates.