O que os tesoureiros corporativos precisam saber sobre a MiFID II

Os tesoureiros corporativos não devem assumir que os regulamentos da MiFID II não vão afetá-los. O que eles precisam saber sobre a diretiva da UE?

A MiFID II terá impacto sobre todas as organizações financeiras por meio de objetivos de alto nível, como o aumento da transparência nos mercados, aprimoramento da melhor execução, e ao tornar os custos de negociação e investimento mais explícitos.

Os novos regulamentos afetarão todas as partes que negociam e processam instrumentos financeiros nos mercados europeus, mas isso não significa que as instituições não financeiras estão automaticamente isentas.

Se as atividades realizadas pela sua empresa ou qualquer entidade na sua cadeia de suprimentos envolverem, direta ou indiretamente, a distribuição e negociação de instrumentos financeiros na UE ou por meio de uma bolsa de valores baseada na UE, então a MiFID II pode afetá-lo.
Assista o vídeo — Somos a Thomson Reuters, somos câmbio (foreign exchange)

Impacto sobre a função de Tesouraria

Tesoureiros corporativos precisam claramente entender se serão ou não afetados pela MiFID II.

A primeira etapa é desenvolver uma ampla visão geral dos ciclos de vida das transações da sua organização antes de realizar uma exploração mais detalhada visando identificar qualquer ponto de contato da UE.

Estes podem ser clientes baseados na UE, independentemente de você realizar negócios por meio de uma entidade baseada na UE ou não, ou se realizar negócios em bolsas com parceiros baseados na UE.

Se algum ponto de contato da UE estiver presente, você pode ser afetado pela MiFID II e deve avaliar a sua organização imediatamente realizando determinados testes prescritos.

Dois testes separados são necessários, e somente derivativos que não são utilizados para fins de proteção estão incluídos:

  • O teste de tamanho do mercado compara o tamanho do volume de negociação de derivativos (não utilizados para proteção) da empresa com o mercado global da UE. Os limites são definidos pela European Securities and Markets Authority.
  • O teste de negócio principal deve ser realizado se a entidade comercial estiver abaixo de todos os limites especificados, e este teste analisa o tamanho geral dos derivativos (não utilizados para proteção) e os compara com a soma dos volumes de transações de derivativos da empresa.
Mesmo se você acreditar que não está sujeito à MiFID II, deve assegurar que está em uma posição para comprovar isso.

Plataformas de negociação cambial (FX)

A MiFID II exigirá que sistemas multilaterais de negociação de instrumentos financeiros sejam registrados como um local de negociação caso operados por uma pessoa jurídica da UE. Por exemplo, o FXall será um sistema de negociação multilateral (MTF) a partir de janeiro de 2018.

Isso afetará os tesoureiros corporativos, pois todas as empresas estabelecidas no Espaço Econômico Europeu (EEE) serão obrigadas a utilizar o MTF se desejarem continuar negociando na sua plataforma de negociação cambial. Isso exigirá que os tesoureiros corporativos forneçam informações adicionais à sua plataforma de negociação cambial.

As empresas corporativas não pertencentes ao EEE terão a opção de negociar no MTF se desejarem. Isso será necessário para continuar negociando com bancos europeus no FXall.

Outras considerações sobre a MiFID II

Independentemente de uma empresa estar ou não sujeita ao cumprimento da MiFID II com base nos testes acima, os novos regulamentos ainda terão um efeito cascata cujos tesoureiros devem estar cientes, como nos exemplos a seguir:

• Classificação

As empresas e outras instituições não financeiras serão classificadas pelas instituições financeiras, e essa classificação afetará os produtos que podem ser oferecidos a elas.

Isso poderá afetar, por exemplo, o oferecimento de fundos de previdência de uma empresa, pois sua classificação determinará quais tipos de produtos e serviços elas podem consumir.

• Análises desagregadas

A MiFID II exigirá que todas as análises consumidas por um gestor de ativos sejam pagas de forma explícita, e não agregadas como parte da comissão de corretagem.

Os gestores de ativos precisarão decidir se estão preparados para absorver o custo adicional da análise ou se ele será repassado para as empresas. Isso provavelmente afetará os processos de tomada de decisões corporativas no processo de seleção de fornecedores.

• Designação da proteção (hedge)

A designação da proteção precisa ser precisa para assegurar que todos os derivativos não destinados a proteção sejam identificados e tratados separadamente, pois apenas esses instrumentos fazem parte dos limites especificados. Isso poderá ter um impacto nos processos e procedimentos internos.

• Sistemas de gestão de Tesouraria

Os sistemas de gestão de Tesouraria também devem estar em condições de separar quaisquer transações isentas de uso nos testes de limites da MiFID II, particularmente nos casos em que sua utilização como instrumento de proteção não está clara.

Olhando para o futuro

A MiFID II terá implicações de longo alcance para muitas organizações — tanto financeiras como não financeiras — com o objetivo de tornar os mercados financeiros mais seguros, sólidos, eficientes e transparentes.

Assim como ocorre com todos os novos regulamentos, quanto mais cedo as mudanças forem adotadas para assegurar o cumprimento, melhor. Além disso, as organizações de vanguarda devem implementar as medidas necessárias agora para garantir que permaneçam à frente desta curva específica.

Para mais informações e insights, acesse a nossa gravação do webinar sobre a MiFID II, com contribuições de John Mason, Diretor Global de Regulamentações e Proposta de Estruturas de Mercados; Chris Leonard-Appleton, Diretor de Regulamentações; e Geri Westphal, Diretora Sênior do NeuGroup.

 

 

 

> SOBRE A THOMSON REUTERS  | FINANCIAL & RISK
Combinamos as notícias, dados e informações  em tempo real com ferramentas analíticas e plataformas de negociação eletrônica. Conectamos mais de 440.000 profissionais em 150 países das comunidades de trading, investimentos, finanças e corporativos através nossas soluções customizáveis, com pacotes e custos de acordo com suas necessidades.

> AGÊNCIA DE NOTÍCIAS REUTERS
Fundada há mais de 165 anos, a agência de notícias Reuters conta com 2,600 jornalistas, 600 jornalistas fotográficos em cerca de 200 localidades ao redor do globo. Produzindo 2.500+ reportagens, 1,5+ Milhões de alertas de notícias, 100+ reportagens investigativas, 850.000+ fotos, 100.000+ vídeos.

> PARA QUEM PRECISA SABER ANTES > EIKON 
As notícias e dados estão disponíveis em tempo real através do terminal de informação

> PARA QUEM PRECISA DISTRIBUIR DADOS > ELEKTRON 
Dados e tecnologia para sua instituição, em tempo real ou EOD

> PARA QUEM PRECISA DE CONTEÚDO > DIGITAL
Soluções digitais de conteúdo para Fintechs e Advisors.

> PARA QUEM PRECISA DE IMPACTO > REUTERS PLUS
Imagens, fotos e vídeos premiados da Reuters, atualizados 24/7

> PARA QUEM PRECISA DE GESTÃO DE RISCO E COMPLIANCE > RISK
Soluções para riscos de terceiros e clientes, governança e treinamentos de compliance