Veja as principais tendências de Comércio Exterior para o futuro

O setor de Comércio Exterior deve ampliar a adesão a novas ferramentas tecnológicas seguindo as tendências para os próximos anos, principalmente após a Covid-19. Confira neste post!

O início de 2020 prenunciava otimismo para o setor de Comércio Exterior brasileiro. Nos últimos anos, o mercado vem passando por crescentes transformações e a tecnologia é a chave destas mudanças. 

Por isso, é cada vez maior a necessidade por inovação e de seguir as novas tendências. Entre elas, destacam-se a automação, a integração de dados e a computação em nuvem. 

Em 2019, os dados da balança comercial brasileira foram positivos. Segundo a Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, o volume de negócio fechou em US$ 401,363 bilhões e o superávit foi de US$ 46,674 bilhões,

Só que, no meio do caminho, surgiu a pandemia da Covid-19. Com o impacto no comércio global, os governos e as empresas se readequaram e revisaram seus planejamentos. A seguir, veja como ganhar vantagem competitiva com as novas tendências, principalmente no período pós-Covid-19.

Cenário no comércio exterior

O novo cenário está demandando reorganização urgente. Mesmo em tempos de crise, surgem oportunidades, novos começos e desafios. Sem uma base sólida para tomar decisões, já que não há estimativa para o fim desta crise, o longo prazo deve ser o caminho trilhado pelas empresas para a próxima fase.

De acordo com a Organização Mundial do Comércio (OMC), no cenário mais otimista o comércio global pode cair 13%, enquanto no mais pessimista pode chegar a 32%. Isso vai depender da duração da pandemia e da efetividade das políticas adotadas.

Os impactos já estão sendo sentidos globalmente, com sinais de retração na economia global, que devem causar saldos negativos das balanças comerciais dos países. 

O certo, porém, é que novas medidas econômicas serão adotadas pelos governos para restabelecimento de suas economias: novas regras e novos procedimentos para as práticas comerciais globais.

O mercado global está em plena mudança. Especialistas apostam em um realinhamento na estrutura comercial do mundo. Os efeitos colaterais da pandemia no mercado global já provocam profundas alterações na forma como os países negociam seus produtos e serviços. Está surgindo um cenário de consolidação de uma nova era de acordos comerciais entre os países.

Tecnologia reforça novas tendências

A crise impulsionou a transformação digital. Quem não estava preparado para lidar com a grande quantidade de ferramentas tecnológicas foi obrigado a se adaptar em tempo recorde. 

As soluções tecnológicas não se limitam à simplificação de procedimentos padronizados, mas alavancam a produtividade das empresas. Diante disso, as empresas de Comércio Exterior devem gerenciar ainda mais seus processos, além de reduzir custos internos. Entre as novas tendências que estão surgindo, destacam-se:

 

1. Redução da burocracia

 

Receita Federal vem estabelecendo regras e diminuindo cada vez mais processos complexos. O projeto do Portal Único, criado em parceria com a Secretaria do Comércio Exterior, visa reformular os processos de importação, exportação e trânsito aduaneiro. Isso pode fomentar uma fluidez gradual no cotidiano das empresas, com muito mais velocidade e menos imprevistos.

A implementação de um novo tipo de gestão gera uma mudança de mentalidade e o Portal Único pode ser decisivo nesse cenário. Informações oficiais sobre normas, exigências e procedimentos que cercam o Comércio Exterior brasileiro poderão ser encontradas neste portal.

 

2. Adoção de novas tecnologias 

 

Apesar de o governo estar facilitando processos de importação e exportação, ainda é preciso lidar com vários documentos, autorizações e declarações em cada transação comercial. A melhor solução é automatizar os processos de importação e exportação. Com isso, os riscos de perdas de arquivos e a dificuldade de gerir e armazenar os dados são reduzidos.

Um sistema de gestão de Comércio Exterior como o ONESOURCE Global Trade 

da Thomson Reuters permite automatizar e gerenciar processos complexos de Comércio Exterior. Ainda ajuda a cumprir os protocolos do regime aduaneiro e a garantir conformidade tributária e tarifária. 

Centrada no cliente, a ferramenta permite controle total e personalização para atender as necessidades globais de gerenciamento de comércio. As alterações regulatórias atualizadas automaticamente e refletidas em tempo real permitem que o empresário tome decisões mais corretas. 

Oferecida por meio de módulos, a solução auxilia as empresas, com complexos e variados processos de Comércio Exterior, a alcançar um novo nível de precisão, compliance e eficiência, poupando tempo e custos.

A solução facilita também a tomada de decisão e apuração de dados nos órgãos fiscalizadores, para os processos de importação, exportação, câmbio, bem como a gestão de Regimes Aduaneiros especiais, classificação fiscal de mercadorias, FTAs (Free Trade Agreements) e validação da reputação de parceiros comerciais.

Oferece os módulos de Importação e Exportação para PMEs, apoiando o crescimento de pequenas e médias empresas. Inclui ainda a versão dos módulos na nuvem como serviço, sem a aquisição de licenças de uso para instalação ou mesmo de servidores para executar as soluções de Comércio Exterior.

 

3. Gerenciar riscos e preocupação com compliance

 

A adoção de novas tecnologias ajuda as empresas a gerir riscos e evitar prejuízos. Em função disso, a tendência sobre o entendimento do compliance deve ficar mais forte no futuro. Com processos sólidos de conformidade, as empresas do setor de Comércio Exterior evitam perdas desnecessárias que aumentam o custo das operações. Uma das maiores dores do setor é a parte fiscal e tributária. Por isso, as empresas devem manter em ordem suas obrigações.

 

4. Inteligência Artificial e seu impacto

 

Entre todas as inovações disponíveis, a Inteligência Artificial é a mais promissora para as empresas de Comércio Exterior, pois, ao automatizar as operações, reduz custos e assegura maior conformidade com a legislação. O segmento de Comércio Exterior requer análises mais seguras nas transações e sistemas conectados globalmente. O uso da Inteligência Artificial pode modificar os processos das empresas que importam e exportam, incrementando a competitividade.

 

5. Aplicações de Blockchain

 

blockchain está sendo usado ​​em uma ampla variedade de indústrias. É um sistema baseado na distribuição de blocos de informação entre milhares de usuários da internet, que armazena transações realizadas on-line. Como é uma rede de blocos encadeados, registra todas as transações realizadas ao redor do mundo. Com isso fica mais fácil o rastreamento e identificação. Desde cadeias de suprimentos até rastreamento de contêineres em transporte marítimo.

 

6. Big Data e Business Intelligence

 

No Comércio Exterior, soluções como Big Data e Business Intelligence podem transformar o modo como sua empresa se relaciona com os dados e permitir decisões mais assertivas e inovadoras. Enquanto o BI atua na estabilidade dos dados em meio a um mercado caótico, o Big Data busca novas oportunidades por meio da análise dos dados.

Para saber como incrementar a competitividade de sua empresa, venha conhecer o sistema ONESOURCE Global Trade.

Matérias Relacionadas

Confira as medidas fiscais e tributárias adotadas pelo governo brasileiro para contornar uma possível crise econômica nesse momento de COVID-19.

Os países do mundo não enfrentam apenas uma crise de saúde pela pandemia do coronavírus, mas também os efeitos que ela ocasionará nas economias e no comércio internacional. Confira neste post quais são os impactos.

Em meio à pandemia, surgem questionamentos sobre o futuro. Confira como o comércio exterior pode ser a chave para a retomada do crescimento econômico do país.