1. Homepage
  2. Tax & Accounting
  3. Comercio Exterior
  4. Blog Comércio Exterior
  5. Governo federal adota blockchain no Portal Único de comércio exterior

blogpost

Governo federal adota blockchain no Portal Único de comércio exterior

Blockchain: governo federal adota essa tecnologia no Portal Único de comércio exterior. Leia o post e veja o que muda.

O governo federal anunciou no fim do mês de janeiro a adoção da tecnologia de blockchain no Portal Único de Comércio Exterior - o Siscomex. Essa nova tecnologia começou a ser utilizada com o objetivo de reduzir a burocracia e agilizar os processos de comércio exterior.

Chamada de bConnect, esse blockchain foi desenvolvida pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) em parceria com a Receita Federal do Brasil. E, diferentemente da função a qual a blockchain ficou famosa – armazenamento de moedas digitais, como bitcoin - seu uso pelo governo federal é armazenar informações sobre importações e exportações.

Por isso, o bConnect poderá ser o espaço de armazenamento de procedimentos, normas e estatísticas sobre transações internacionais de bens e prestações de serviço. ​Com essa tecnologia de comércio exterior é possível ter maior controle das transações de dados, por meio do rastreamento dos envios.

Conheça mais sobre essa tecnologia ao ler este post!

Por que adotar o blockchain no Portal Único de comércio exterior?

A decisão da adoção do blockchain no comércio exterior é uma tentativa do governo federal de aderir aos avanços tecnológicos na área. Esta é uma forma de atualizar seus sistemas, melhorando o fluxo de trabalho da alfândega.

Esta iniciativa também exigiu a modernização de outros processos, como regulamentação do uso de assinaturas digitais. O objetivo é reduzir o uso de papéis e processos burocráticos. Apesar de ter sido anunciada em novembro de 2020, essa tecnologia de comércio exterior foi desenvolvida em 2019.

Quais são as principais mudanças com o blockchain?

Inicialmente, o bConnect vai permitir a troca de informações de Operadores Econômicos Autorizados (OEA). Porém, já há previsão de desenvolvimento dessa tecnologia de comércio exterior para atender também ao compartilhamento de informações de Declarações Aduaneiras (alfândega).

A intenção do governo federal é promover a troca de quaisquer informações entre os países de forma segura e ágil, preservando a soberania de cada país. Essa ferramenta vai permitir o compartilhamento de dados, principalmente, com parceiros comerciais do Brasil como Argentina, Uruguai e Paraguai.

Anteriormente, os envios e recebimentos de informações eram feitos por meio de planilhas elaboradas para um único envio de dados, ou de planilhas que já estavam prontas no sistema dos países e eram enviadas por e-mail. Ou seja, a expectativa é que o sistema traga mais tecnologia ao comércio exterior.

Qual a expectativa para os próximos anos?

Apesar da adoção de blockchain parecer promissora e contribuir para aumentar o uso de tecnologia no comércio exterior, ainda há outras burocracias que precisam ser melhoradas.

Este ano, o blockchain será usado como teste. Essa fase vai até o dia 31 de dezembro. Essas mudanças estão registradas no Decreto nº 10.550, que saiu no Diário Oficial da União no dia 25 de novembro de 2020.

De acordo com a publicação, está autorizada a disponibilização de dados, por meio de fornecimento de réplicas, parciais ou totais, até 31 de dezembro de 2020, período em que o órgão ou entidade solicitante deverá adotar o mecanismo de compartilhamento de dados, por meio de rede permissionada blockchain.

Blockchain no governo federal

Além do bConnect, o governo federal também utiliza blockchain em outros setores do comércio exterior. Desde 2020, o uso da tecnologia na administração, fiscalização, controle e tributação das atividades do segmento têm sido incentivados.

Uma das mudanças autorizadas foi a confirmação da autenticidade de documentos com blockchain. Outras pastas do governo também têm adotado a tecnologia.

O Ministério da Agricultura, por exemplo, estuda implantar uma ferramenta que armazene, registre, organize e rastreie os processos e produtos agroindustriais da cadeia da cana-de-açúcar. Já a Receita Federal criou uma base em blockchain que reúne dados do cadastro nacional de pessoas jurídicas e físicas.

Para utilizar a melhor tecnologia no comércio exterior, nada melhor do que contar com soluções completas para o seu negócio. Conheça o OneSource Global Trade.