1. Homepage
  2. Tax & Accounting
  3. Comercio Exterior
  4. Blog Comércio Exterior
  5. Aumento da exportação entre Brasil e China na pandemia

blogpost

Aumento da exportação entre Brasil e China na pandemia

Comércio exterior na pandemia aumenta a exportação entre Brasil e China. Veja como a relação entre os países está fortalecida!

A alta da demanda chinesa durante a pandemia fez a relação entre Brasil e China se estreitar. Isso porque, em 2020, um a cada três produtos brasileiros exportados é destinado ao país asiático, segundo dados do Ministério da Economia. ​

Somente em 2020 a participação da China nas exportações do Brasil cresceu 4 pontos percentuais em relação à 2019, chegando ao recorde de 32,3%. O crescimento até então era modesto, um pouco mais de 1 ponto percentual entre 2018 e 2019. O reflexo desse aumento foi que a economia brasileira se tornou dependente da relação comercial entre os dois países.

Impactos no comércio exterior brasileiro

As principais mercadorias de exportação foram as commodities como a soja, o minério de ferro e o óleo bruto de petróleo.

Segundo o estrategista do Banco Ourinvest e ex-secretário nacional de Comércio Exterior, Welber Barral, dois fenômenos explicam essa dependência na relação entre Brasil e China.

O primeiro é o crescimento da exportação de carnes, já que a peste suína lá fez crescer a demanda pelo produto. O segundo é o efeito da retomada econômica da China, que alavancou a quantidade de outros produtos básicos demandados por eles no segundo semestre de 2020.

História da relação entre Brasil e China

A relação entre os dois países não é de hoje. Mas, a aproximação, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior, avançou muito nos últimos 20 anos. A importação de produtos agro pela China saltou de US $921 milhões em 2000 para US $36 bilhões em 2020.

A pandemia do novo coronavírus também acentuou essa tendência. Em 2001, quando o movimento de expansão da economia asiática iniciou, 14% do comércio exterior brasileiro era com a Ásia. Esta presença aumentou pouco a pouco, até atingir seu recorde em 2020.

Isso aconteceu ao mesmo tempo em que diminuía a participação comercial com outros parceiros como Europa, América do Norte e os vizinhos sul americanos.

Outro fator que também contribuiu, foi o rápido desenvolvimento econômico da China nas últimas décadas. O crescimento de países como Coreia do Sul, Índia e os integrantes da Asean (Associação de Nações do Sudeste Asiático) também reforçou essa aproximação.

Em 2020, enquanto 35% dos importados pelo Brasil vieram da Ásia, 47% dos nossos produtos vendidos foram para eles. Isso tornou a relação de compra e venda de produtos agrícolas quase uma codependência.

Fortalecimento da relação entre Brasil e China

Hoje, 20% das compras feitas pelo Brasil no exterior são de bens chineses, e tem de tudo. Porém, ainda que um quinto das importações brasileiras venha do gigante asiático, essas compras representam somente 1,42% de tudo que eles vendem para o mundo, de acordo com dados da Unctad compilados pela Folha de S. Paulo.

Entretanto, é fato que a relação entre Brasil e China se consolidou. Até 2016, os Estados Unidos lideravam as vendas de produtos agrícolas para a China.

Mas, a partir de 2017, eles perderam a dianteira para os brasileiros. O gigante asiático saiu do 9º parceiro comercial do Brasil em 2001 para o 1º em 2009, mantendo a posição até hoje.

Expectativas para 2021 na exportação

O apetite chinês pelas commodities de que o Brasil depende para ter vantagem nas suas exportações – como a soja e o minério de ferro – deve crescer também em 2021.

As projeções do Banco Mundial estimam uma alta de 7,9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e alguns analistas já projetam crescimento de 9%.

Um dos motivos é que, assim como a Coreia do Sul e Japão, a China também têm problemas com segurança alimentar, isto é - não são capazes de produzir o suficiente para alimentar sua população. Por isso, acabam importando muito do Brasil e ainda produzem bens que faltam no mercado brasileiro.

Além disso, a capacidade produtiva do Brasil também aumentou. O baixo preço e a qualidade tornaram nossos produtos agropecuários mais atraentes.

A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) também fez projeções para 2021 e julgou que a balança comercial brasileira neste ano poderá alcançar superávit de US$ 69,018 bilhões, com uma alta de 33% comparativamente ao previsto para 2020.

A tendência de alta na importação e exportação aponta que a expectativa é que a relação entre Brasil e China continue crescendo em 2021.

Como otimizar a gestão de comércio exterior?

Neste cenário, as cadeias de suprimentos crescem em volume e complexidade e a tarefa de administrá-las se torna cada vez mais desafiadora.

As regulamentações comerciais também são um desafio, pois estão em constante mudança ao redor do mundo. Por isso, investir em soluções que facilitem a gestão de comércio exterior é imprescindível.

Soluções de gerenciamento e automação de comércio exterior simplificam todo o processo, automatizando tarefas rotineiras e possibilitando que os profissionais da área atuem focados na gestão das operações.

Com isso, a empresa alcança um novo nível de precisão, conformidade e eficiência, além da diminuição de tempo e custos nos processos de comércio exterior. Desde a compra do pedido até a entrega final da sua exportação, garantindo o suporte logístico de ponta a ponta.

A tecnologia ajuda a tornar as exportações mais simples. Conheça as soluções mais modernas no setor para a complexidade que envolve o comércio exterior.