A reoneração da folha de pagamento e o impacto na COFINS-Importação

Angela Santos

Consultora Sênior de Comércio Exterior – Global Trade Management
Thomson Reuters – Brasil

Renata B. Borowski
Consultora Sênior de Direitos, Societário e Contabilidade  – Global Trade Management
Thomson Reuters – Brasil

 

O que era temido por diversos setores da economia (indústria, comércio e prestadores de serviços), de fato aconteceu. Com a publicação da Lei nº 13.670/2018, a contribuição previdenciária com base na receita bruta (CPRB) agora está com prazo para acabar e, desde 1º de setembro de 2018, apenas alguns setores podem continuar com seu recolhimento, ou seja, diversos setores foram reonerados, o que significa que passaram a recolher, a partir da data citada, a contribuição previdenciária com base em sua folha de salários.

Mas qual o impacto da reoneração com o adicional de 1% na alíquota da COFINS-Importação?

Primeiramente, é importante esclarecer que o adicional de 1% sobre a alíquota da COFINS-Importação foi instituído para equilibrar a incidência criada com a instituição da contribuição previdenciária sobre o faturamento de empresas fabricantes dos produtos constantes do Anexo I da Lei nº 12.546/2011, e assim, equiparar o aumento da tributação do produto nacional com o aumento equivalente da tributação sobre o produto importado.

Desta forma, considerando  que diversos setores da indústria foram excluídos das regras da desoneração da folha de pagamentos a partir de 1º de setembro de 2018, não faria sentido manter o adicional na alíquota da COFINS-Importação sobre esses produtos reonerados.

Com isso, a Lei nº 13.670/2018 retirou a incidência do adicional de 1% da alíquota da COFINS-Importação dos produtos reonerados, ou seja, de quase 2 mil produtos. Para os produtos que continuaram sujeitos à desoneração da folha de pagamento, dentre os quais destacam-se alguns setores, tais como: vestuário e seus acessórios, calçados e automóveis, ficou estabelecida sua incidência até 31.12.2020. As NCMs que permanecem sujeitas ao adicional são:

a) 3926.20.00, 40.15, 42.03, 43.03, 4818.50.00, 6505.00, 6812.91.00, 8804.00.00, capítulos 61 a 63;

b) 64.01 a 64.06;

c) 41.04, 41.05, 41.06, 41.07 e 41.14;

d) 8308.10.00, 8308.20.00, 96.06 e 96.07;

e) 87.02, exceto 8702.90.10, e 87.07;

f) 7308.20.00; 7309.00.10; 7309.00.90; 7310.29.90; 7311.00.00; 7315.12.10; 7316.00.00; 84.02; 84.03; 84.04; 84.05; 84.06; 84.07, 84.08; 84.09 (exceto o código 8409.10.00); 84.10. 84.11; 84.12; 84.13; 8414.10.00; 8414.30.19; 8414.30.91; 8414.30.99; 8414.40.10; 8414.40.20; 8414.40.90; 8414.59.90; 8414.80.11; 8414.80.12; 8414.80.13; 8414.80.19; 8414.80.22; 8414.80.29; 8414.80.31; 8414.80.32; 8414.80.33; 8414.80.38; 8414.80.39; 8414.90.31; 8414.90.33; 8414.90.34; 8414.90.39; 84.16; 84.17; 84.19; 84.20; 8421.11.10; 8421.11.90; 8421.19.10; 8421.19.90; 8421.21.00; 8421.22.00; 8421.23.00; 8421.29.20; 8421.29.30; 8421.29.90; 8421.91.91; 8421.91.99; 8421.99.10; 8421.99.91; 8421.99.99; 84.22 (exceto o código 8422.11.00); 84.23 (exceto o código 8423.10.00); 84.24 (exceto os códigos 8424.10.00, 8424.20.00, 8424.89.10 e 8424.90.00); 84.25; 84.26; 84.27; 84.28; 84.29; 84.30; 84.31; 84.32; 84.33; 84.34; 84.35; 84.36; 84.37; 84.38; 84.39; 84.40; 84.41; 84.42; 8443.11.10; 8443.11.90; 8443.12.00; 8443.13.10; 8443.13.21; 8443.13.29; 8443.13.90; 8443.14.00; 8443.15.00; 8443.16.00; 8443.17.10; 8443.17.90; 8443.19.10; 8443.19.90; 8443.39.10; 8443.39.21; 8443.39.28; 8443.39.29; 8443.39.30; 8443.39.90; 84.44; 84.45; 84.46; 84.47; 84.48; 84.49; 8450.11.00; 8450.19.00; 8450.20.90; 8450.20; 8450.90.90; 84.51 (exceto código 8451.21.00); 84.52 (exceto os códigos 8452.10.00, 8452.90.20 e 8452.90.8); 84.53; 84.54; 84.55; 84.56; 84.57; 84.58; 84.59; 84.60; 84.61; 84.62; 84.63; 84.64; 84.65; 84.66; 8467.11.10; 8467.11.90; 8467.19.00; 8467.29.91; 8468.20.00; 8468.80.10; 8468.80.90; 84.74; 84.75; 84.77; 8478.10.10; 8478.10.90; 84.79; 8480.20.00; 8480.30.00; 8480.4; 8480.50.00; 8480.60.00; 8480.7; 8481.10.00; 8481.30.00; 8481.40.00; 8481.80.11; 8481.80.19; 8481.80.21; 8481.80.29; 8481.80.39; 8481.80.92; 8481.80.93; 8481.80.94; 8481.80.95; 8481.80.96; 8481.80.97; 8481.80.99; 84.83; 84.84; 84.86; 84.87; 8501.33.10; 8501.33.20; 8501.34.11; 8501.34.19; 8501.34.20; 8501.51.10; 8501.51.20. 8501.51.90; 8501.52.10; 8501.52.20; 8501.52.90; 8501.53.10; 8501.53.20; 8501.53.30; 8501.53.90; 8501.61.00; 8501.62.00; 8501.63.00; 8501.64.00; 85.02; 8503.00.10; 8503.00.90; 8504.21.00; 8504.22.00; 8504.23.00; 8504.33.00; 8504.34.00; 8504.40.30; 8504.40.40; 8504.40.50; 8504.40.90; 8504.90.30; 8504.90.40; 8505.90.90; 8508.60.00; 8514.10.10; 8514.10.90; 8514.20.11; 8514.20.19; 8514.20.20; 8514.30.11; 8514.30.19; 8514.30.21; 8514.30.29; 8514.30.90; 8514.40.00; 8515.11.00; 8515.19.00; 8515.21.00; 8515.29.00; 8515.31.10; 8515.31.90; 8515.39.00; 8515.80.10; 8515.80.90; 8543.30.00; 8601.10.00; 8602.10.00; 8604.00.90; 8701.10.00; 8701.30.00; 8701.90.10; 8701.90.90; 8705.10.10; 8705.10.90; 8705.20.00; 8705.30.00; 8705.40.00; 8705.90.10; 8705.90.90; 8716.20.00; 9017.30.10; 9017.30.20; 9017.30.90; 9024.10.10; 9024.10.20; 9024.10.90; 9024.80.11; 9024.80.19; 9024.80.21; 9024.80.29; 9024.80.90; 9024.90.00; 9025.19.10; 9025.19.90; 9025.80.00; 9025.90.10; 9025.90.90; 9026.10.19; 9026.10.21; 9026.10.29; 9026.20.10; 9026.20.90; 9026.80.00; 9026.90.10; 9026.90.20; 9026.90.90; 9027.10.00; 9027.20.11; 9027.20.12; 9027.20.19; 9027.20.21; 9027.20.29; 9027.30.11; 9027.30.19; 9027.30.20; 9027.50.10; 9027.50.20; 9027.50.30; 9027.50.40; 9027.50.50; 9027.50.90; 9027.80.11; 9027.80.12; 9027.80.13; 9027.80.14; 9027.80.20; 9027.80.30; 9027.80.91; 9027.80.99; 9027.90.10; 9027.90.91; 9027.90.93; 9027.90.99; 9031.10.00; 9031.20.10; 9031.20.90; 9031.41.00; 9031.49.10; 9031.49.20; 9031.49.90; 9031.80.11; 9031.80.12; 9031.80.20; 9031.80.30; 9031.80.40; 9031.80.50; 9031.80.60; 9031.80.91; 9031.80.99; 9031.90.10; 9031.90.90; 9032.10.10; 9032.10.90; 9032.20.00; 9032.81.00; 9032.89.11; 9032.89.29; 9032.89.8; 9032.89.90; 9032.90.10; 9032.90.99; 9033.00.00; 9506.91.00;

g) 02.03, 0206.30.00, 0206.4, 02.07, 02.09, 0210.1, 0210.99.00, 1601.00.00, 1602.3, 1602.4, 03.03, 03.04, 03.02, exceto 03.02.90.00;

h) 5004.00.00, 5005.00.00, 5006.00.00, 50.07, 5104.00.00, 51.05, 51.06, 51.07, 51.08, 51.09, 5110.00.00, 51.11, 51.12, 5113.00, 5203.00.00, 52.04, 52.05, 52.06, 52.07, 52.08, 52.09, 52.10, 52.11, 52.12, 53.06, 53.07, 53.08, 53.09, 53.10, 5311.00.00, no capítulo 54, exceto os códigos 5402.46.00, 5402.47.00 e 5402.33.10, e nos capítulos 55 a 60.

Ao passo que para as empresas importadoras essa mudança foi comemorada, visto que o adicional de 1% na alíquota da COFINS-Importação sempre foi objeto de diversos questionamentos, principalmente pelo fato de que o valor pago do respectivo adicional não gerava direito ao desconto do crédito pela sistemática não cumulativa das contribuições do PIS e COFINS, os setores reonerados buscam judicialmente reverter a exclusão, pelo menos para o ano de 2018.

Algumas empresas já obtiveram decisão favorável, ainda que através de liminar, para permanecer com o recolhimento da contribuição previdenciária com base na receita bruta para 2018 sob o argumento de que a opção pela CPRB é irretratável para todo o ano calendário e que tal mudança fere o princípio da segurança jurídica. Ainda não se sabe se o Fisco voltará atrás e determinará que a exclusão da desoneração só terá seus efeitos aplicáveis a partir de 1º de janeiro de 2019.

Também, vale lembrar da situação simular que aconteceu com as publicações das Medidas Provisórias nºs 774/2017 e 794/2017, o que provocou um longo período de incertezas. A Medida Provisória nº 774/2017,que dentre as alterações promovidas também excluiu diversos setores das regras da desoneração da folha de pagamentos, esteve vigente de 01.07.2017 a 09.08.2017, sendo, posteriormente revogada pela Medida Provisória nº 794/2017. Com isso, muitas empresas “reoneradas” restaram inseguras sobre o recolhimento da contribuição previdenciária para o respectivo período e chegaram a fazê-lo sobre a folha de pagamento.

Por fim, tal confusão foi esclarecida com a Lei nº 13.670/2018 onde ficou determinado que os valores das contribuições recolhidas com base na folha de salários, em decorrência da impossibilidade de opção pela contribuição patronal sobre o valor da receita bruta determinada pela Medida Provisória nº 774/ 2017, no período de sua vigência, na parte em que excederem o que seria devido em virtude da opção efetuada pela tributação substitutiva, serão considerados pagamentos indevidos e poderão ser compensados com futuros débitos de contribuição previdenciária patronal do mesmo contribuinte, ou a ele restituídos nos termos da legislação vigente.

 

Matérias Relacionadas

Conheça as melhores práticas para gestão de risco nas operações de comércio exterior.

Como as medidas protecionistas dos países afetam a economia e o comércio global.

Os processos e desdobramentos legislativos tomados em relação ao adicional de 1% sobre a COFINS-Importação.