Conformidade comercial na era do coronavírus: como planejar os próximos passos sem uma bola de cristal

As cadeias de suprimentos estão enfrentando a pandemia global do COVID-19 (coronavírus) - algo tão impactante que as empresas precisam de ferramentas e abordagens realmente sem precedentes para gerenciar a ruptura. Saiba mais em nosso artigo!

Há algum tempo, tudo o que você precisava para trabalhar no mundo da conformidade comercial global eram duas enormes edições impressas da Harmonized Tariff Schedule e sua inteligência. Depois de alguns anos, se tornou imprescindível para todo importador ou exportador, principalmente aqueles com grandes volumes para gerenciar, substituir os livros impressos por soluções automatizadas que geram precisão e eficiência. Mas nos últimos dois anos, nosso mundo do comércio global virou de cabeça para baixo e agora parece que a única coisa que precisamos em nosso kit de ferramentas de conformidade comercial global é uma bola de cristal.

Importadores e exportadores certamente estão acostumados às mudanças. Somente nos EUA, nos últimos dez anos, as equipes de compliance trabalharam com inúmeras questões comerciais, como 10+2, ACE, a Lei Ambiental Lacey Act, Reforma do Controle de Exportação, TFTEA, as inúmeras obrigações da Seção 301/232 e USMCA. Mas agora as cadeias de suprimentos estão enfrentando a pandemia global do COVID-19 (coronavírus) - algo tão impactante que as empresas precisam de ferramentas e abordagens realmente sem precedentes para gerenciar a ruptura.

Impactos no setor de carga aérea

Para entender o impacto, é importante reconhecer a rapidez com que o ambiente mudou no mundo do transporte global - claramente um resultado direto e reflexo da velocidade de propagação do vírus. Embora os primeiros casos tenham sido reportados apenas no fim de 2019, em 29 de janeiro, foi reportado que o setor de carga aérea já estava começando a sentir restrições de capacidade e pressão correspondente em seus preços, pois vários voos de passageiros aéreos foram cancelados devido ao coronavírus. As condições do mercado aéreo pioraram rapidamente durante o mês de fevereiro, com o cancelamento de mais voos, já que muitas empresas estabeleceram políticas de viagem limitando viagens não essenciais. No início de março, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) revisou sua previsão para o setor de passageiros aéreos em 2020, projetando uma perda de receita entre US$ 63 bilhões e US$ 113 bilhões.

Impactos no transporte marítimo

O impacto no transporte marítimo apresentou uma resposta mais lenta, provavelmente em parte porque o início do impacto do COVID-19 ocorreu na época do Ano Novo Lunar chinês, que é sempre um período menos movimentado para o transporte marítimo global. Mas quando o vírus afetou um número expressivo de trabalhadores chineses, e como resultado, muitas fábricas não puderam reabrir após o Ano Novo Chinês, embarcadores de todo o mundo começaram a sentir os efeitos. Alguns comentários iniciais foram quase otimistas, sugerindo, por exemplo, que a redução nas taxas devido ao vírus poderia ajudar a compensar as pressões do aumento dos custos de combustível. No final de fevereiro, a Federação Nacional do Varejo (NRF) nos EUA emitiu um panorama positivo para o ano, afirmando que antecipavam um crescimento de 3,5 a 4,1% "apesar das incertezas da guerra comercial, do coronavírus e das eleições presidenciais".

Mas mesmo nesse momento, importadores, exportadores e transportadoras globais vivenciavam um impacto crescente das consequências dos fechamentos de fábricas na China, que se estendiam também para a Coréia do Sul. Diversas transportadoras cortaram viagens marítimas de suas programações e os efeitos multiplicadores começaram a difundir-se no setor. Por exemplo, as travessias de retorno das embarcações também foram reduzidas em muitos casos. Isso significa que um exportador que espera enviar mercadorias dos EUA para a China, por exemplo, não teria a mesma disponibilidade ou encontraria tarifas mais caras devido à falta de capacidade. De acordo com Alan Murphy, CEO da Sea-Intelligence, os remetentes precisam “se preparar para o aumento da taxa de retorno” em abril. Com tudo isso, a Associação Americana de Autoridades Portuárias está agora prevendo que os volumes de carga no primeiro trimestre de 2020 podem cair 20% em comparação com o último ano. Como o resto do ano se comportará no oceano é mais difícil de prever sem essa bola de cristal.

Impactos nos departamentos de conformidade comercial

As equipes globais de conformidade comercial estão acostumadas a trabalhar em estreita colaboração com seus colegas internos nas equipes de transporte e logística para permanecerem sincronizadas quando as condições estão em constante mudança. É uma prática recomendada ter um processo formal para garantir que uma alteração logística, como uma remessa redirecionada, seja comunicada à conformidade comercial. Da mesma forma, a conformidade comercial precisa informar à logística se uma remessa está atrasada por algum motivo devido a formalidades de importação ou exportação. Essa é a condução habitual dos negócios.

Mas nosso mundo atual com o COVID-19 é algo sem precedentes. Os procedimentos que os profissionais da área comercial seguem para permanecer em conformidade e acompanhar as novas regulamentações foram alterados. As regulamentações estão mudando por razões completamente diferentes agora, e as fontes que as equipes de conformidade comercial seguem para obter informações regulatórias podem ser diferentes. Por exemplo, quando o presidente Trump estendeu a proibição da entrada de estrangeiros da maioria dos países europeus nos Estados Unidos em 12 de março, houve um breve período de confusão sobre se a proibição também incluía cargas, o que claramente seria uma diferença significativa para a equipe comercial.

Enquanto essa proibição era limitada a viajantes, em alguns casos, os governos decretaram novas regulamentações comerciais globais como resultado direto do coronavírus, e as equipes de conformidade comercial precisam permanecer diligentes para cumpri-las. As mudanças mais significativas vieram da forma como os países implementaram controles ou restrições de exportação em um esforço para proteger suas próprias populações. Os bens controlados são geralmente medicamentos ou itens específicos, como máscaras faciais, sendo que um país pode ficar sem estoque dos mesmos se exportados em excesso. Especialmente na primeira quinzena de março, de acordo comum relatório do WorldECR, países como França, Itália, Alemanha, Rússia, Índia, Turquia, Tailândia e outros adotaram medidas para limitar ou banir completamente a exportação desses itens. Os profissionais de conformidade comercial, é claro, precisam estar cientes de uma nova e inesperada regulamentação desse tipo.

No entanto, as notícias não são todas ruins para as equipes responsáveis em gerenciar as funções de conformidade comercial da empresa. Nos Estados Unidos, a nova lista de exclusões da Seção 301 foi recentemente publicada, especificamente para atender a vários itens médicos em alta demanda, incluindo as “Máscaras médicas de uso único de materiais têxteis (atualmente descritas na classificação de produto 6307.90.9889)”. Além disso, enquanto alguns países estão restringindo a exportação de produtos médicos na tentativa de armazenar esses itens, a U.S. Food and Drug Administration vem trabalhando proativamente com a China e as empresas de lá que fabricam medicamentos e suprimentos médicos desde o fim de janeiro para garantir que estejam em constante comunicação para identificar se haverá algum impacto no suprimento disponível dos bens necessários enviados aos EUA. De acordo com a declaração do FDA de 27 de fevereiro sobre esse assunto, a agência não tinha conhecimento de falta desses produtos.

Lidar com fatores de ruptura

O que está claro é que os tipos de mudanças regulatórias e seus impactos na cadeia de suprimentos devido à pandemia do COVID-19 são imprevisíveis. Os profissionais da área comercial também estão identificando que fontes de conhecimento e melhores práticas comuns são mais difíceis de navegar em um mundo de "distanciamento social". Muitas associações comerciais cancelaram suas conferências nas últimas semanas, incluindo o CBP Trade Symposium, Trans Pacific Maritime Conference, International Trade Compliance Professionals Association Conference, e IATA’s World Cargo Symposium. Em uma época como essa, é fundamental que os profissionais da área comercial interajam, aprendam e compartilhem suas melhores práticas - porque se uma coisa está evidente, é que praticamente todas as transportadoras globais estão sendo ou serão afetadas pelo coronavírus.

O impacto do coronavírus se tornou aparente quando várias empresas divulgaram relatórios de ganhos no quarto trimestre ou projeções para o primeiro trimestre. A Cummins, por exemplo, chamou o coronavírus como um motivo para receita e lucro mais fracos do que o esperado no quarto trimestre em seu Webcast público de fevereiro. Da mesma forma, em meados de fevereiro, a Apple revisou a previsão que a empresa havia feito apenas algumas semanas antes para uma menos favorável, citando especificamente o coronavírus como a causa. Analisando a economia de forma mais ampla, a Goldman Sachs declarou que acredita que neste momento os EUA sofrerão uma queda de 5% no PIB no segundo trimestre, quando entraremos em uma recessão impulsionada especificamente pela pandemia.

Do ponto de vista da conformidade comercial, os resultados de uma pesquisa recente são ainda mais impressionantes. O Institute for Supply Management conduziu uma pesquisa com 628 fabricantes e prestadores de serviços no setor de comércio exterior. Quando questionados sobre suas operações, 44% dos entrevistados responderam que não possuem um plano preparado para solucionar as interrupções no fornecimento de produtos da China.

É aqui que você pega sua bola de cristal, certo? Isso pode ser o que ElMarie Hugo estava pensando quando ela falou recentemente sobre o tópico de coronavírus e cadeias de suprimentos. ElMarie é a diretora executiva de estratégia do setor na Blue Yonder (anteriormente JDA). Ela observou: “As cadeias de suprimentos devem ter flexibilidade e capacidade de lidar com a flutuação na demanda e suprimento. [. . .] Mas se as empresas não conseguem – em até três meses - criar cadeias de suprimentos alternativas adquirindo de outros locais; elas não têm flexibilidade.”

Qual é próximo passo?

Agora, as boas notícias - tudo bem se você ou seu chefe não tiveram a capacidade de prever e colocar as bolas de cristal no orçamento do departamento de 2020. Você não precisa de uma. Nestes tempos de proibição de viagens, fazer networking certamente ficou mais difícil. Embora cumpram as recomendações para “distanciamento social”, importadores, exportadores e prestadores de serviços ainda podem encontrar maneiras de discutir esses tempos erráticos em que vivemos e compartilhar suas melhores práticas.

Seja em chamadas de associação maiores ou contatos pessoais, participei de várias conversas nas últimas semanas com profissionais da área comercial e, é claro, este tópico sempre aparece. Muitos fornecedores com quem conversei estão trabalhando para identificar onde há lacunas nos recursos de geração de relatórios - para que possam estar melhor preparados e entender o panorama geral do que está acontecendo agora, quais são as possibilidades para criar essas cadeias de suprimentos alternativas em aproximadamente três meses e qual seria o custo para implementar isso.

Não é preciso dizer que há mais itens a analisar no processo de suprimento do que apenas custos transacionais. Encontrar fornecedores, estabelecer termos e garantir que eles atendam aos requisitos regulamentares e de negócios que você possui para um parceiro da cadeia de suprimentos também são questões fundamentais, então é importante começar o exercício agora. Quando o trabalho inicial estiver em andamento e você souber como serão os seus Planos B e C e talvez até o Plano D, poderá reavaliar suas opções com muito mais clareza. Pode ser tão simples quanto pegar seus dados e executá-los através do modelo com dados regulatórios atuais, como taxas de serviço, para ver o impacto da mudança no suprimento em algum momento no futuro.

E, nesse momento, eu confiaria muito mais nos dados do que na bola de cristal - então posso deixá-la descansar na prateleira e ficar empoeirada.

Para manter-se atualizado sobre as últimas notícias e informações sobre a pandemia do COVID-19, o impacto econômico e a resposta do governo, acesse o Centro de Recursos do COVID-19 da Thomson Reuters e você pode seguir Reuters.com ou o Aplicativo da Reuters.