Comércio Exterior - Retrospectiva de 2017 e Perspectivas para 2018

Autor: Angela Santos

Consultora Sênior de Comércio Exterior – Global Trade Management

Thomson Reuters - Brasil

Introdução

Se comparado a 2015 e 2016, o ano de 2017, embora extremamente desafiador, demonstra claramente que o Brasil já começa a olhar a crise pelo retrovisor. E com o fim do ano alguns marcos importantes, tanto para o bem do país quanto para mal, merecem destaque especial.

Mesmo tendo sido um ano em que as crises política e econômica se mantiveram presentes, 2017 se apresentou como o ano da recuperação e isso certamente irá gerar reflexos que poderão impactar as perspectivas para 2018 de maneira considerável.

Este artigo contempla de forma resumida os assuntos que foram abordados no estudo de forma detalhada sobre os principais acontecimentos e dados de 2017, bem como aqueles que se apresentam no horizonte para o cenário de comércio exterior envolvendo o Brasil em 2018.

Clique aqui e faça o download para acessar o estudo completo.

Retrospectiva de 2017

No Brasil

Operação Carne Fraca

Ainda no início de 2017, o Brasil se deparou com um escândalo de proporções imensuráveis para o setor agrícola, e após 2 anos de investigações foi desbaratado um esquema de corrupção formado por fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e alguns frigoríficos do país, cujo objetivo era a comercialização de produtos sem a devida fiscalização, com prazos de validade vencidos, bem como o uso de produtos químicos para maquiar a qualidade dos produtos de origem animal, como carnes bovinas, aves e derivados.

Na época o Brasil se viu numa situação constrangedora em relação ao impacto mundial que essa notícia produziu. Mas, o governo brasileiro e os órgãos responsáveis tomaram as devidas ações para reverter essa situação e os resultados desses esforços apareceram a partir do segundo semestre, quando as exportações vieram numa crescente constante.

 

Avanços na automatização dos processos operacionais

O governo vem buscando automatizar os processos que envolvem as operações de importação e de exportação, com o objetivo de tornar as ações mais ágeis, menos repetitivoas, para assim alcançar a redução no tempo e nos custos das operações. Com isso, em 2017 avançou nos seguintes pontos:

 - Declaração Única de Exportação (DU-E): Foi lançada, com o intuito de aprimorar o despacho, reduzir custos logísticos e principalmente o tempo total da operação. A partir de julho/2018, todas as empresas deverão estar efetuando plenamente suas operações por meio da DU-E.

- Declaração Única de Importação (DUIMP): Foi publicada a Consulta Pública para a elaboração do novo processo de importação brasileiro.

- Despacho sobre águas OEA: Possibilita o registro da Declaração de Importação de mercadoria procedente do exterior antes mesmo de ser descarregada na unidade da Receita Federal do Brasil (RFB).

- REPETRO-SPED: Foram disponibilizadas as novas regras para o REPETRO-SPED que deverá substituir gradativamente o atual REPETRO.
 

No mundo

Quando a abordagem é sobre a restrospectivaretrospectiva de 2017, para ter uma visão do comércio global, é essencial analisar o ranking da economia mundial. E, de acordo com dados do Banco Mundial, em 2017 as 10 maiores economias mundiais foram: EUA, China, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Índia, Itália, Brasil e Canadá, respectivamente.

Os EUA e a China tiveram os holofotes do mundo voltados para eles, considerando tratar-se de um governo extremamente controverso e protecionista e pelo leque de possibilidades de negociações comerciais, respectivamente.

 

Balança Comercial

Como era previsto e difundido nos últimos meses de que Balança Comercial ultrapassaria a expectativa do começo do ano que era de fechar em US$ 60 bilhões, no dia 02/12/2017 foi divulgado o fechamento anual de 2017 com saldo recorde de US$ 67 bilhões, o maior em 29 anos, sendo que em 2016 o saldo ficou em US$ 47,683 bilhões.

 

Ampliação dos Acordos Comerciais

Não há dúvidas de que o melhor caminho para se obter avanços no comércio exterior é a conquista da abertura de mercados. E um dos caminhos para essa conquista são os Acordos de Livre Comércio firmados com outros países ou blocos, os quais têm como objetivo a aquisição de mercadorias entre os países membros do acordo com redução ou isenção do imposto de importação.

 

Os principais Acordos em pauta de negociações e diálogos comerciais são:

  • MERCOSUL e União Europeia; MERCOSUL e EFTA; MERCOSUL e Canadá;
  • MERCOSUL e ASEAN.

Perspectivas para 2018

Assim como nos últimos anos, o momento ainda é incerto para se fazer qualquer afirmação acerca de quais seriam as perspectivas para 2018. Todavia, a recessão vem diminuindo e a economia gradativamente está sendo retomada e, diante disso, é possível prever algumas tendências que poderão impactar o comércio exterior de uma maneira geral. Além dos avanços nos acordos comerciais, estima-se a continuidade na automatização dos processos operacionais de comércio exterior, a importância da tecnologia no comércio exterior e, por fim, apesar das previsões de aumento das importações, a projeção é de uma Balança Comercial de 2018 com superávit de US$ 50 bilhões, ainda que diferente do recorde histórico de US$ 67 bi em 2017, estará acima do fechamento de anos anteriores.anteriores.