Inteligência Artificial é a solução para o contencioso tributário das organizações

*Por Ana Paula Neves – Diretora de Vendas para os segmentos de clientes corporativos e do setor público na Thomson Reuters Brasil

A Receita Federal divulgou em seu relatório anual que a principal prioridade na fiscalização em 2018 são os 8.885 maiores contribuintes do país. Apesar de responderam por 61% da arrecadação, eles foram responsáveis por quase 80% das autuações em 2017. Considerando um levantamento publicado pela advogada Ana Teresa Lima Rosa em estudo para a Fundação Getúlio Vargas, que já indicava desde 2014 que o tamanho do contencioso fiscal de apenas 31 empresas era mais de duzentos e oitenta e dois bilhões de reais, concluímos que esta poporção só tende a crescer. Os valores ficam ainda mais impressionantes quando comparamos o montante do contencioso fiscal contra o valor de mercado das empresas. Este mesmo estudo aponta que 32% do valor total das empresas está comprometido com riscos decorrentes do contencioso tributário.

A dimensão destes números explica a tendência nas empresas de priorização da governança do provisionamento. Boa parte desta reserva poderia estar sendo destinado para investimentos em seus negócios, aquisição de novas tecnologias e inovação, geração de dividendos aos acioanistas, e outras iniciativas que trazem ganho de competitividade, melhoria na operação e, como consequência, ajudam a melhorar o balanço das empresas.

Mas esta questão não se restringe simplesmente a alocação de recursos das organizações. Trata-se de garantir conformidade legal e saber em quais disputas fiscais há maior ou menor chance de obter sucesso. Assim, a empresa consegue ter mais controle dos recursos e garantias de que não estará sujeita a outras penalizações por não estarem em compliance.

Além disso, dependendo do tipo de contencioso, havendo pendências ou irregularidades, a empresa pode ficar impedida de fazer negócios. E, em alguns casos, o processo oferece risco também pessoal para a liderança e para os responsáveis pela governança da empresa. Esse cenário faz com que muitas das companhias brasileiras comecem a se movimentar para serem mais preventivas e proativas, ampliando as tendências de trazerem a gestão e a otimização, evitando desta forma novos contenciosos e efetuando eventuais ajustes em suas operações. Neste caso, é necessário um trabalho em parceria entre os departamentos jurídico e tributário.

Como fazer isso, de maneira eficiente? Com ajuda da alta tecnologia, sobretudo da automação, do big data e do machine learning, os fundamentos para uma estratégia de inteligência artificial. Em um ambiente em que há cerca de 50 mudanças tributárias todos os dias, é impossível, para qualquer organização, fazer uma gestão inteligente do contencioso de maneira manual. O volume de dados e informações é muito grande para ser coletado, catalogado e estudado, com menor custo e em curto espaço de tempo para uma rápida tomada de decisão.

Muito fala-se de Inteligência Artificial, mas poucos sabem de fato que jornada devem percorrer para chegar lá. Para um bom aproveitamento desta tecnologia, o tratamento das informações é essencial. É fundamental organizar o histórico fiscal e tributário da organização, tudo que já foi alvo de disputas passadas, atuais ou possa ser passível de ações futuras. Depois, traçar um paralelo analisando a legislação que permanece em constante atualização, bem como a jurimetria do contencioso existente. É essencial contar com pessoas com know-how para que haja conclusões consistentes para a tomada de ação nos negócios.

Outro fator importante para ter sucesso nessa estratégia é entender que a tecnologia não vai substituir nenhum profissional dentro da empresa. O objetivo é aprimorar o trabalho de todos, permitindo que o o jurídico deixe de se preocupar com burocracias e se dedique ao trabalho de inteligência. Em vez de buscar informações, o sistema oferece as doutrinas, jurisprudências e legislações referentes a cada processo, com o histórico de decisões semelhantes, o que auxilia as ações a serem tomadas.

Também é preciso destacar que a boa gestão traz uma melhor assertividade na classificação do risco e precisão do valor de provisionamento. Essa informação precisa estar totalmente apurada, pois é divulgada no balanço das empresas. É preciso se adaptar o mais rápido possível, pois os órgãos governamentais estão cada vez mais automatizados e a tendência é que a regulação aumente cada vez mais.

Desta forma, com uma gestão eficiente e inteligente do contencioso, todos saem ganhando. A empresa consegue alocar mais recursos para seu core business e garante conformidade legal e fiscal. Os gestores ganham segurança para poder agir com mais precisão. As áreas juridicas e tributárias das empresas focam sua atuação na inteligência do negócio e não em trabalhos manuais e cansativos.

 

*Ana Paula Neves Ana Paula Neves é Diretora de Vendas para os segmentos de clientes corporativos e do setor público na Thomson Reuters Brasil. Com mais de 20 anos de experiência em vendas e tecnologia, Ana Paula é formada em Ciências da Computação pela PUC-RJ, possui certificação em Mercado Financeiro pela FIA e MBA em Gestão Estratégica de Mercado pela FGV-SP.

 

Thomson Reuters

A Thomson Reuters (TSX/NYSE: TRI) é a provedora líder mundial de notícias e soluções de tecnologia para profissionais. Nossa rede global de especialistas e jornalistas mantém nossos clientes atualizados sobre os principais acontecimentos no mundo, com foco específico nas mudanças jurídicas, fiscais, tributárias e de comércio exterior. A ações da Thomson Reuters estão listadas nas bolsas de valores de Toronto e Nova Iorque. Para mais informações da companhia, visite tr.com e para notícias, acesse reuters.com.

Contatos para a imprensa

Camila Soares

Head of Corporate Communications, Brazil
Thomson Reuters
+55 11 2159 0562
camila.soares@thomsonreuters.com

Felipe Carlos / Felipe Mazorca / Cíntia Ferraz

+55 11 4873-7600
thomson.reuters@idealhks.com

Matérias relacionadas

De acordo com o planejamento de fiscalização para 2017, o objetivo da Receita Federal do Brasil (RFB) é recuperar R$ 143,4 bilhões por meio autuações. A mira da fiscalização está direcionada em mais 14 mil contribuintes, sendo eles pessoas jurídicas de grande porte, pessoas físicas detentoras de elevado patrimônio, e renda com índicos de irregularidade.

Como a organizações e governo estão se integrando de maneira digital por meio do eSocial.

Como as corporações estão reagindo aos primeiros impactos e experiências das novas medidas da Reforma Trabalhista?