A ascensão da Regtech e o papel das Startups

Saiba nesse post como obter recursos para lidar com a alta regulamentação e aproveitar novas oportunidades.

Adaptado de The Rise of Regtech and the Role of Startups, para o Answer On.

A RegTech - a categoria de inovação tecnológica relacionada ao monitoramento, geração de relatórios e compliance com a regulamentação - há muito tempo é vista como um subconjunto do setor financeiro, mas essa definição se tornou incompleta.

 

O escopo e a complexidade da regulamentação aumentaram para incluir quase todas as áreas do comércio, e gerenciar efetivamente a regulamentação nunca foi tão complicado e crítico para os negócios. Como vimos com a revolução da FinTech, quando os problemas são grandes o suficiente, as startups geralmente são as primeiras a responder. Como resultado, várias empresas estão se intensificando para ajudar as empresas a reduzir o custo e o risco de compliance, identificando simultaneamente novas oportunidades de negócios que surgem após mudanças na regulamentação.

A regulamentação, é claro, não é novidade. Uma das tarefas fundamentais dos governos sempre foi proteger os direitos de muitos, muitas vezes limitando as ações de poucos. No entanto, as tendências recentes aumentaram a carga regulatória sobre as empresas a tal ponto que um novo setor está se formando para lidar com essa complexidade. Como resultado, o “RegTech” está expandindo sua presença além da tradicional associação com a FinTech e alcançando todos os tipos e facetas de negócios.

A seguir, apresentamos as tendências que impulsionam o aumento da complexidade regulatória no mercado americano, mas que também refletem as altas exigências regulatórias do mercado brasileiro:

O grande número de mudanças de regras está aumentando.

Mesmo com a atual administração dos EUA tomando medidas para reduzir o número de regulamentos - por exemplo, adotando uma nova regra de que qualquer novo regulamento “economicamente significativo” precisa ser compensado pela revogação de dois regulamentos - o número total de regulamentos continua a aumentar.

Segundo o Brookings Institute, cerca de 40 regras economicamente significativas foram revogadas e 59 novas regras economicamente significativas foram aprovadas. O Código de regulamentos federais agora ocupa mais de 185.000 páginas.

A regulamentação está ampliando e impactando mais empresas.

a regulamentação há muito se concentra nos setores verticais da indústria: produtos farmacêuticos, financeiros, automotivos, alimentos etc. Na era da informação, no entanto, as empresas procuram obter uma vantagem competitiva da tecnologia. Os dados, em particular, tornaram-se um ativo estratégico para as empresas que podem digitalizá-los, estruturá-los e criar uma camada de valor sobre ele com software e soluções analíticas desenvolvidas pela IA.

A visão generalizada de que os dados se tornaram o ativo estratégico de uma empresa criou um incentivo para que as empresas ultrapassem os limites do que é possível e deu origem à revolução de marketing do uso de dados pessoais para anúncios direcionados como um meio de monetizar dados. Não precisamos olhar muito longe para ver como isso pode ser explorado, como foi o caso do escândalo no Facebook Cambridge Analytica. Isso esclarece um problema complicado e uma necessidade mais ampla de proteger os consumidores e seus dados.

Na Thomson Reuters

ajudamos a fornecer clareza a empresas e profissionais que operam na interseção entre regulamentação e comércio. Em apoio às nossas muitas iniciativas RegTech e de parceria, incluindo uma competição global de inicialização RegTech lançada recentemente, estamos dedicando uma curta série sobre por que as regras do jogo estão mudando para o "RegTech", mostrando como as empresas progressistas estão avançando para resolver desafios únicos e por que buscar parcerias externas com startups é fundamental para a evolução da RegTech.
A regulamentação de dados, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) na União Europeia e a Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia (CCPA), são exemplos do que entendemos por regulamentação “horizontal”. O resultado é que as empresas de todos os setores e vencimentos que antes eram capazes de voar sob o radar regulatório agora estão sobrecarregadas com uma carga de compliance.

Dessa forma, empresas de médio porte não estão necessariamente em desvantagem para empresas maiores em termos de quantidade de trabalho ou complexidade de assuntos com os quais podem lidar, mesmo com funcionários menores, se essas empresas de médio porte fizerem investimentos estratégicos em seu fluxo de trabalho que permitam ao seu advogado ser mais produtivo e eficiente.

Obviamente, as razões pelas quais alguns escritórios de advocacia de médio porte têm sido cada vez mais bem-sucedidos na competição com grandes players do mercado serão tão variadas quanto as próprias empresas. Porém, lições importantes podem ser aprendidas com essas firmas, e essas lições podem ajudar escritórios de advocacia de médio porte de todos os tipos.

A natureza global do comércio.

A extensão total da globalização é evidente nas cadeias de suprimentos até das menores empresas. A realidade é que as empresas multinacionais devem adotar os padrões da jurisdição mais estrita em que operam e frequentemente aplicar esses padrões em suas operações para garantir consistência.

Considere os padrões de emissão propostos sendo definidos pela Califórnia. Embora as metas federais exijam um consumo médio de combustível de 36 milhas por galão (MPG) até 2026, as montadoras estão ignorando esses padrões para otimizar suas operações para cumprir a Califórnia, que recentemente estabeleceu sua meta de 50 MGP em 2026. No No caso do RGPD, violações extremas da privacidade de dados na UE podem resultar em multas de até 4% da receita global para todas as partes envolvidas. Isso cria o incentivo para cumprir o conjunto mais estrito de regras.

Regulamentação como propulsora do crescimento.

A regulamentação agora é vista com frequência pelos governos como uma ferramenta para ajudar a criar novas indústrias, não apenas para policiar as existentes. Considere as zonas especiais de desenvolvimento econômico na China, a iniciativa Silicon Roundabout em Londres ou as iniciativas de energia verde nos EUA. Por meio de regulamentação e incentivos fiscais, os governos estão impulsionando o crescimento removendo barreiras para empresas emergentes. O resultado é que as empresas precisarão monitorar a regulamentação não apenas para reduzir o risco, mas também para encontrar novas oportunidades.

A implicação é clara: as empresas precisarão desviar recursos para lidar com essa carga de compliance e explorar novas oportunidades. A comunidade de startups está adotando novas tecnologias para ajudar as empresas a monitorar a regulamentação e permanecer em compliance no momento em que essas empresas mais precisam.

Nesse ambiente, as parcerias entre grandes e pequenas empresas costumam ser um bom veículo para trazer soluções inovadoras ao mercado mais rapidamente. A formação de parcerias permite que essas startups aproveitem os recursos - como uma base de clientes existente, canais de marketing, experiência no setor, conteúdo e tecnologia - que um parceiro maior poderia fornecer. E o acordo não é unilateral. As empresas maiores se beneficiam da parceria aumentando sua velocidade no mercado, adicionando novas ofertas de valor agregado para seus clientes e criando um campo de teste e caminho para possíveis aquisições no futuro.

E o RegTech - não mais um subconjunto do FinTech - é um terreno fértil no qual essas parcerias podem florescer. Dadas as grandes mudanças que estão ocorrendo, a regulamentação se tornou um risco, uma ameaça, um custo e até uma oportunidade para empresas de todos os tamanhos em todos os setores. É uma área dinâmica que exige a atenção da comunidade empresarial.

 

 

> PARA QUEM PRECISA DE INOVAÇÃO NA GESTÃO JURÍDICA > LEGAL ONE 

A Revolução digital no gerenciamento e inteligência estratégica para escritórios de advocacia e departamentos Jurídicos

> PARA QUEM PRECISA DE CONHECIMENTO ESTRATÉGICO > REVISTA DOS TRIBUNAIS 
O Selo Editorial Revista dos Tribunais reúne autores consagrados do meio Jurídico em obras aprofundadas para capacitar os profissionais do Direito, respaldando-os com respostas rápidas, precisas e confiáveis.

> SOBRE A THOMSON REUTERS  | LEGAL
Respaldamos os profissionais do Direito com respostas confiáveis para as suas decisões mais estratégicas, combinando inteligência, tecnologia e os melhores especialistas, oferecendo soluções digitais inovadoras para a gestão eficiente e gerando conteúdo relevante para as mais diversas áreas do mercado Jurídico.

 

Quer saber mais? Preencha o formulário para solicitar um contato

Por favor, preencha todos os campos obrigatórios.

Ao enviar este formulário, você reconhece que leu e concorda com a nossa

Política de privacidade