Gestão da cadeia de supply chain por redução de custos

Blog de: Selin Yavuz
Comércio Internacional, ONESOURCE
8 de dezembro de 2017

Uma das áreas de negócios mais importantes em qualquer instalação industrial é, sem dúvida, a cadeia de supply chain.

A empresa pode render milhões de dólares em lucros ao simplesmente diminuir os custos da cadeia de supply chain.  Na prática, as reduções potenciais estão amplamente espalhadas em áreas que devem ser analisadas e tomadas como foco na busca da otimização de gastos e oportunidades de economia.

Uma definição comum de custos comerciais é: “...custos incorridos ao obter uma mercadoria para um usuário final além do custo ao produzir a própria mercadoria: custos de transporte, como frete e tempo, barreiras políticas tarifárias e não tarifárias, custos de informação, execução de contratos, custos associados ao uso de diferentes moedas, custos legais e regulatórios e de distribuição local (atacado e varejo)” (Anderson e Van Wincoop, 2004).

Ao entender essa definição, para alcançar certo grau de economia de custos da cadeia de supply chain global, esta visão geral fornece um bom ponto de partida como foco. Existem várias áreas que oferecem com consistência oportunidades de economia nos custos da cadeia de supply chain para as empresas de todos os portes e segmentos de mercado. Por exemplo: taxas de frete negociadas com seus prestadores de serviços, redução dos custos na embalagem e consolidação de remessas, e a avaliação das taxas de despachantes aduaneiros e avaliar as repartições tarifárias harmonizadas para determinar se as taxas aduaneiras aplicadas são precisas.

De acordo com os resultados de uma pesquisa de mercado global de 2016, os principais desafios incluem os processos manuais que podem trazer riscos de auditoria, a falta de automação que pode expor as empresas a ineficiências e erros humanos e a subutilização de Acordos de Livre Comércio (FTA’s). Muitas vezes, as empresas olham para os custos óbvios, em que onde há uma conta a pagar, como por exemplo, agentes e consolidadores de carga. Não raro, o que não está em foco e, em minha opinião, é uma perda de oportunidade, é olhar para a eficiência do processo (ou seja, processos manuais versus automação). Com frequência, ficamos sabendo dos gastos de uma empresa no processo de fabricação devido à incapacidade de atingir todas as economias nos FTA’s, ou dar suporte aos seus clientes por simplesmente não ter a largura da banda compatível com um programa robusto.

Essas áreas de conformidade comercial são necessárias na cadeia de supply chain de uma empresa, mas muitas vezes são negligenciadas, sendo consideradas como uma área de corte de custos. Na verdade, quando o foco não se concentra nessas eficiências, os custos comerciais podem aumentar consideravelmente. Ao adicionar a esta lista a complexidade em classificações e estimativas aduaneiras imprecisas, as empresas expõem sua cadeia de suprimentos a riscos de auditoria e possíveis penalidades.

Além disso, qualquer fabricante de produtos e seus distribuidores devem saber para onde os produtos foram, quem e o que interagiu com eles. Todo importador e exportador deve ter conhecimento e registros dos seus produtos, de onde eles foram obtidos e como eles foram transportados. Esta atividade agora está sob o domínio da segurança da cadeia de supply chain e a expõe ao risco quando não aderida e, em última instância, os custos são associados a atrasos.

A gestão do comércio exterior continuará cercada de complexidades e mudanças de todos os lados do quebra-cabeça: governos, parceiros comerciais, prestadores de serviços de terceiros, grupos não governamentais e consumidores. Os importadores e os exportadores são cada vez mais desafiados a utilizar a automação, que se tornou uma necessidade para racionalizar processos e garantir os mais altos níveis de segurança e conformidade.

A gestão computadorizada da cadeia de suprimentos revolucionou os negócios modernos, fornecendo visibilidade e rastreamento de ponta a ponta. As empresas reconheceram que isso é uma obrigação ao supervisionar a movimentação de mercadorias e a redução de custos. Ao automatizar e racionalizar os processos da cadeia de suprimentos, isso realmente pode ajudar a reduzir os custos a níveis mínimos e diminuir a exposição de uma empresa às auditorias e penalidades.