Colheita de soja deverá bater recorde no Brasil na safra 2016/2017, segundo estudo da Thomson Reuters

Expectativa dos analistas é de que a produção de soja neste ano supere em mais de 10 milhões de toneladas a colheita realizada na safra 2016, quando bateu 96 milhões Em sua sétima edição, o Crop Tour é um estudo de campo realizado pela equipe de pesquisa climática e agropecuária da Thomson Reuters com o objetivo de acompanhar a evolução das safras de soja, milho, entre outros

São Paulo, 16 de março de 2017 – Ao contrário do que aconteceu na colheita de 2015/2016, quando o Brasil passou por um período de seca que comprometeu as safras de soja, a temporada 2016/2017 de colheita poderá trazer um recorde ao Brasil. A previsão é fruto do Thomson Reuters Crop Tour, estudo de campo realizado pela Thomson Reuters e que ocorreu durante a segunda quinzena de janeiro nos principais estados de produção de soja do país (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná) percorrendo mais 7.000 km e aproximadamente 60% das mesorregiões de tendência da soja.

Um dos motivos para que os produtores estejam otimistas é o fato de que o plantio foi acelerado nos estados do Centro-Oeste e combinou com o fato de o fenômeno La Niña ter sido menos agressivo do que o previsto, favorecendo condições climáticas mais frias e úmidas do que o esperado no Sul. Isso provavelmente fará com que a produção desta temporada atinja, pelo menos, 110 milhões de toneladas de soja contra os 96 milhões da temporada 2014/2015.

O estudo comprovou o que já era esperado pelos produtores. “As observações de campo realizadas durante a viagem confirmaram o que as análises baseadas em modelos climatológicos e imagens de satélite indicaram: a cultura de soja do Brasil está no caminho certo para quebrar os índices de produção e colheita na safra 2016/17”, afirma José Clavijo analista da Thomson Reuters e que participou da expedição. “As condições gerais ao longo da pesquisa foram muito positivas, com poucas áreas mostrando problemas como sinais de estresse ou falta de uniformidade de semeadura”, finalizou o especialista.

Em algumas partes do sudeste e nordeste, como Minas Gerais e Bahia, por exemplo, receberam menos precipitação do que o esperado. Portanto, se as previsões se mantiverem, apenas o rendimento de áreas colhidas no Centro Oeste e Sul provavelmente compensarão quaisquer perdas potenciais em outros lugares.

Aicha Valente Diretora de Desenvolvimento de Mercado, Supply Chain & Commodities da Thomson Reuters Brasil explica que a metodologia utilizada para esse estudo foi a de coletar em campo amostras da safra. “Observamos alguns pontos específicos, como a cultura e população de plantas, além do espaçamento, densidade e a uniformidade de semeadura”, afirma. “Outro fator visível na lavoura foi o possível estresse hídrico que depende da umidade do solo e da fisiologia da planta. O ciclo de maturação também foi levado em consideração para que pudéssemos estimar o rendimento dos grãos e o nível de produtividade”, finaliza Valente.

 

 

 

Thomson Reuters

Thomson Reuters é o provedor líder mundial de notícias e informação para mercados profissionais. Nossos clientes confiam em nós para ter acesso à inteligência, à tecnologia e à experiência que precisam para encontrar respostas confiáveis. A empresa opera em mais de 100 países há mais de 100 anos. As ações da Thomson Reuters estão listadas nas Bolsas de Valores de Toronto e de Nova York (símbolo: TRI). Para mais informações, visite www.thomsonreuters.com.br

Contatos com a imprensa

Camila Soares

Head of Corporate Communications, Brazil
Thomson Reuters
+55 11 2159 0562
camila.soares@thomsonreuters.com

Glauber Canovas / Luana Ferreira / Alexandre Tsuneta

+55 11 2898 7472 ou 2898 7455
glauber.canovas@xcompr.com
luana.ferreira@xcompr.com
thomson.reuters@xcompr.com